Agritrop
Home

Estratégias alimentares de famílias pobres no Oeste de Santa Catarina, Brasil

Tecchio Andréia, Cazella Ademir Antonio, Sabourin Eric, Cortes Geneviève. 2018. Estratégias alimentares de famílias pobres no Oeste de Santa Catarina, Brasil. In : Proceedings III International Conference Agriculture & Food in an Urbanizing Society. Schneider Sergio (ed.). Porto Alegre : UFRGS, 10 p. Conferência Internacional de Agricultura e Alimentação em uma Sociedade Urbanizada,. 3, Porto Alegre, Brésil, 17 September 2018/21 September 2018.

Paper with proceedings
[img]
Preview
Published version - Portugais
Use under authorization by the author or CIRAD.
Estratégias alimentares de famílias pobres.pdf

Télécharger (617kB) | Preview

Abstract : A sociedade civil brasileira contribuiu na concepção do conceito de Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) e, a partir de 2003, na formulação e gestão de políticas públicas. Essa noção defende o direito das pessoas ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade e em quantidade suficiente, sem comprometer outras necessidades básicas. N essa perspectiva, este trabalho tem por objetivo analisar as estratégias a limentares de famílias rurais pobres. A análise baseia-se em pesquisas realizadas em 16 municípios com características rurais da região Oeste de Santa Catarina, junto a 67 famílias assistidas pelo Programa Bolsa Família residentes no meio rural e urbano desses municípios , entre 2011 e 2018 . Os resultados indicam que as famílias pobres adotam diversas estratégias de aprovisionamento de alimentos, com destaque para quatro mecanismos : i) produção tanto em áreas rurais quanto no perímetro urbano ; ii) aquisição em supermercados que permitem o pagamento a prazo ; iii) empréstimo, troca e doação junto a familiares e/ou vizinhos ; e iv) doação de empregadores, igrejas e prefeituras. Nenhuma família estava passando fome, mas quase todas vivia m em situação d e insegurança alimentar, além de se privarem de outras necessidades básicas em prol da alimentação. De fato, o conjunto de políticas públicas não foi suficiente para assegura r o acesso aos alimentos em quantidade, qualidade e diversidade desejada. As famílias as monoparentais e as que não dispõem de terra para a produção de alimentos (ou com acesso muito restrito) são mais vulneráveis em relação a SAN.

Mots-clés libres : Sécurité alimentaire, Pauvreté rurale, Agriculture familiale, Politiques sociales, Brésil

Auteurs et affiliations

  • Tecchio Andréia, Universidade Estadual do Oeste do Parana (BRA)
  • Cazella Ademir Antonio, UFSC (BRA)
  • Sabourin Eric, CIRAD-ES-UMR ART-DEV (BRA) ORCID: 0000-0002-1171-2535
  • Cortes Geneviève, Université Paul Valéry (FRA)

Source : Cirad-Agritrop (https://agritrop.cirad.fr/588763/)

View Item (staff only) View Item (staff only)

[ Page générée et mise en cache le 2021-01-01 ]